..::Juliana Persou::..

..::Juliana Persou::..
..::Carpe Diem ::..

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Não sei se é verdade... mas achei muito interessante...

Uma amiga, me passou esse e-mail faz muito tempo e eu nunca abri.. hoje vasculhando e dando uma garimpada na minha caixa de e-mail li essa mensagem tão bacana, que só me fez pensar em como as coisas estão interligadas.. ( assustadoramente talvez) ...
E em como poderíamos ser exatamente perfeitos para colher os milagres da vida...
Eis um exercício que estou tendo que me adaptar!!

JP

Muito interessante.

No mês de agosto de 2001, Moshê (nome fictício), um bem sucedido empresário judeu, viajou para Israel a negócios.

Na quinta feira, dia nove, entre uma reunião e outra, o empresário aproveitou para ir fazer um lanche rápido em uma pizzaria na esquina das ruas Yafo e Mêlech George no centro de Jerusalém.

O estabelecimento estava superlotado. Logo ao entrar na pizzaria,

Moshê percebeu que teria que esperar muito tempo numa enorme fila, se realmente desejasse comer alguma coisa - mas ele não dispunha de tanto tempo.

Indeciso e impaciente, pôs-se a ziguezaguear por perto do balcão de pedidos, esperando que alguma solução caísse do céu.

Percebendo a angústia do estrangeiro, um israelense perguntou-lhe se ele aceitaria entrar na fila na sua frente. Mais do que agradecido,

Moshê aceitou. Fez seu pedido, comeu rapidamente e saiu em direção à sua próxima reunião.

Menos de dois minutos após ter saído, ele ouviu um estrondo aterrorizador. Assustado, perguntou a um rapaz que vinha pelo mesmo caminho que ele acabara de percorrer o que acontecera. O jovem disse que um homem-bomba acabara de detonar uma bomba na pizzaria Sbarro`s...



Moshê ficou branco. Por apenas dois minutos ele escapara do atentado. Imediatamente lembrou do homem israelense que lhe oferecera o lugar na fila.

Certamente ele ainda estava na pizzaria.

Aquele sujeito salvara a sua vida e agora poderia estar morto.

Atemorizado, correu para o local do atentado para verificar se aquele homem necessitava de ajuda. Mas encontrou uma situação caótica no local.

A Jihad Islâmica enchera a bomba do suicida com milhares de pregos para aumentar seu poder destrutivo. Além do terrorista, de vinte e três anos, outras dezoito pessoas morreram, sendo seis crianças. Cerca de outras noventa pessoas ficaram feridas, algumas em condições críticas.

As cadeiras do restaurante estavam espalhadas pela calçada.

Pessoas gritavam e acotovelavam-se na rua, algumas em pânico, outras tentando ajudar de alguma forma.

Entre feridos e mortos estendidos pelo chão, vítimas ensangüentadas eram socorridas por policiais e voluntários. Uma mulher com um bebê coberto de sangue implorava por ajuda.

Um dispositivo adicional já estava sendo desmontado pelo exército.

Moshê procurou seu "salvador" entre as sirenes sem fim, mas não conseguiu encontrá-lo.

Ele decidiu que tentaria de todas as formas saber o que acontecera com o israelense que lhe salvara a vida. Moshê estava vivo por causa dele.

Precisava saber o que acontecera, se ele precisava de alguma ajuda e, acima de tudo, agradecer-lhe por sua vida.

O senso de gratidão fez com que esquecesse da importante reunião que o aguardava.

Ele começou a percorrer os hospitais da região, para onde tinham sido levados os feridos no atentado.

Finalmente encontrou o israelense num leito de um dos hospitais. Ele estava ferido, mas não corria risco de vida.

Moshê conversou com o filho daquele homem, que já estava acompanhando seu pai, e contou tudo o que acontecera. Disse que faria tudo que fosse preciso por ele. Que estava extremamente grato àquele homem e que lhe devia sua vida. Depois de alguns momentos, Moshê se despediu do rapaz e deixou seu cartão com ele. Caso seu pai necessitasse de qualquer tipo de ajuda, o jovem não deveria hesitar em comunicá-lo.

Quase um mês depois, Moshê recebeu um telefonema em seu escritório em Nova Iorque daquele rapaz, contando que seu pai precisava de uma operação de emergência. Segundo especialistas, o melhor hospital para fazer aquela delicada cirurgia fica em Boston, Massachussets.

Moshê não hesitou. Arrumou tudo para que a cirurgia fosse realizada dentro de poucos dias.Além disso, fez questão de ir pessoalmente receber e acompanhar seu amigo em Boston, que fica a uma hora de avião de Nova Iorque.

Talvez outra pessoa não tivesse feito tantos esforços apenas pelo senso de gratidão. Outra pessoa poderia ter dito "Afinal, ele não teve intenção de salvar a minha vida: apenas me ofereceu um lugar na fila "

Mas não Moshê. Ele se sentia profundamente grato, mesmo um mês após o atentado E ele sabia como retribuir um favor.

Naquela manhã de terça-feira, Moshê foi pessoalmente acompanhar seu amigo - e deixou de ir trabalhar. Sendo assim, pouco antes das nove horas da manhã, naquele dia onze de setembro de 2001. Moshê não estava no seu escritório no 101º andar do World Trade Center Twin Towers.



(Relatado em palestra do Rabino Issocher Frand)

Beijos Julana Persou!

12 comentários:

  1. Adorei a história. Posso repassá-la? Com os devidos créditos, claro.

    ResponderExcluir
  2. Putz! Seu blog também tem esse negócio de moderação?! Só não faça igual a Vanessa de Oliveira, que bloqueia tudo que não for bajulatório...

    ResponderExcluir
  3. Olá..Anonimo... Aff..isso me deixa curiosa!! Claro que pode, eu procuro também colocar os créditos, mesmo que eu não saiba, deixo claro que não sei quem foi o autor, a web é pequena e fica feio pra quem o fez, é quase admitir que além de não ter capacidade de produzir algo, ainda tem a mediocridade de usurpar o feito de alguém.
    Beijos..
    Juliana Persou

    ResponderExcluir
  4. Oi outro Anonimo ou outro..rs.rs. Acho importante ter moderação, eu coloco muito de mim nesse Blog, e como todo mundo tenho defeitos que prefiro disfarçar, caso alguém note... eu os corrijo e faço a loka!! Fica mais elegante.
    A VAn publica inclusive comentários impertinentes, leia direitinho o blog dela, verá que ali não estão apenas pessoas que gostam dela, tem sempre uma ou outra que xinga ou que deprecia o trabalho dela..
    Particularmente eu não deixaria as coisas ruins... Talvez eu não tenha tanta maturidade para lidar com críticas negativas... já basta no trabalho né...rs.rs

    beijos e obrigada!

    REVELE-SE...
    Juliana Persou

    ResponderExcluir
  5. Não, Juju, a Vanessa bloqueou vários comentários que não tinham nada de mais. Inclusive, eu os publiquei no Blog do Maroni, para mostrar que tipo de comentário estava sendo barrado. Esse tem sido o meu 'desentendimento' com a Vanessa. Aliás, é um desagrado, e não propriamente um ‘desentendimento’, por ela ter ultimamente só deixado passar a puxação de saco... Tenho acompanhado seus comentários, e os achei muito interessantes, sensatos, ponderados... Li o que você comenta a respeito do meu comentário sobre a Vanessa; acato sua opinião, mas procure ler os que ela barrou. Como? Alguns eu publiquei no blog do Maroni, e comentei a respeito da censura/do bloqueio; outros, eu qualquer dia os envio, se for o caso. Eu só sei que os blogs têm ficado chatos com esse negócio de moderação/censura, pois é muito divertido/interessante saber o que os outros pensam. Eu acho mais interessante até do que as próprias postagens dos blogs rs rs rs... E gostaria de saber se a Vanessa já a visitou, se ela já veio aqui prestigiar seu blog que é muito legal. Ela já veio?
    Bem, chega de escrever, porque senão você não vai ter saco para ler e nem vai publicar rs rs rs...
    Beijos,
    Daquele ‘Anônimo’ que vocês já conhecem.

    ResponderExcluir
  6. Hello Anonimo..rs.rs.
    Vou entrar no Blog do Maroni e dar uma curiada lá ok! Adoro ler blogs, me fazer presente, entre um post e outro pode até haver alguma divergência... mas tudo em pró da troca de idéias.
    Gosto muito da Vanessa, ela é uma fofa e super atenciosa, principalmente com quem acompanha a trajetória dela.
    Tenha certeza que com vc não será diferente, pq de uma forma ou de outra vc dispensou algum tempo para ler o blog e melhor ainda, fez comentários interessantes, de verdade não vi maldade só vi que vc se posicionou quanto ao trabalho e reconhecimento dela, mas verá que no passar do tempo vai conhecê-la melhor!
    Eu não concorco com tudo que ela diz, me posiciono, discordo, desaprovo, caiu dura na indignação, mas sempre com muito humor... e vc tem um senso de humor bem apurado, tanto que não baixou o nível em nenhum momento!!
    É isso aí temos que nos (ou temos de nos) fazer presentes, com elegancia!!!
    Beijos mil!!!
    Qto a sua pergunta, sinceramente eu não sei, as vezes as pessoas passam aqui, dão uma olhadinha... antes o Blog estava tenso... mas é que me colocava muito "desnuda" aqui... aí resolvi amenizar um pouco...
    Beijos da Ju!!

    Juliana Persou!

    ResponderExcluir
  7. Fora enviado para Vanessa de Oliveira, o seguinte e-mail:

    Juju, eu não falei que aqui, neste blog, só tem vez quem puxar saco???
    E todos os outros e-mails barrados, Juju? Blog do Maroni, do Deijivan, do Flávio Ferrari e outros são exemplos de democracia, ou, pelo menos, oportunidade de expressão. O da Anna Flávia (já conhecida como chupim do OM) é outro blog inacessível; veja quantos comentários ela recebeu. E eu que dizia que Vanessa era uma mulher de peito... Só se for peito pra colocar soutien...
    C/C.
    Blogueiro indignado.

    P.S.: O 'aqui', significa ‘lá’, pois fora enviado ao Blog da Vanessa de Oliveira, mas se dirigindo a Srta. Juju.

    Os comentários que não girarem ao redor dela não são publicados. Eu acho que a interatividade entre os visitantes muito saudável e interessante, inclusive motiva e ‘esquenta’ o blog. Quanto mais comentários, melhor; enseja diversos assuntos e abre espaço para novos temas.
    Mas, Juju, visite, assim que puder,
    http://arguta.blogspot.com/
    http://blogdodeijivan.blogspot.com/
    http://idiotizandonanet.blogspot.com/
    http://mulhernapolicia.blogspot.com/
    http://luiz-vestiario.blogspot.com/?zx=bf18ed5e0b2f8e7b
    http://semamornadasomos.blogspot.com/?zx=1ef895050483f5f3
    http://www.petalasesepalas.blogspot.com/
    http://www.imperativocientifico.blogspot.com/
    http://dialogospoeticosimello.blogspot.com/
    http://seth-hades.blogspot.com/
    http://narroterapia.blogspot.com/
    ...e outros que indicarei em novas oportunidades. Mas vá devagar, não visite todos de uma só vez rs rs rs...
    Beijujuz para você.

    ResponderExcluir
  8. Anonimildo da Silva27 de setembro de 2010 09:21

    Vamos ver se a Vanesse vai barrar este comentário que enviei para sua (dela) mais recente postagem:

    'Não tão ao acaso encontrei esse precioso fragmento literário que muito disse e tanto atingiu minha essência máscula e maiúscula; essência, esta, bem sensível e atenta aos apelos de uma mulher verdadeiramente entregue aos seus instintos femininos. Suas palavras jogadas ao vento depositaram-se, como semente em solo fértil, em meu coração, que passou a ser a seara de nobres sentimentos e sensações por mim há muito tempo não experimentados. Senti resgatada a fertilidade (e felicidade) desse terreno tão pouco explorado... Mas como responder ao apelo de uma mulher que é visivelmente apaixonada e cheia de amor pra dar? Como responder a ela? Como responder se, embora eu esteja sensibilizado (e quiçá, apaixonado), nem nome eu tenho?...'

    Anonimildo da Silva

    ResponderExcluir
  9. Claro, isso ao som de Procol Harum

    http://www.youtube.com/watch?v=PbWULu5_nXI

    Sem mais.

    ResponderExcluir
  10. De fato, ao dizer que nem nome, vc tem, mostra-se totalmente entregue e arrebatado por esse anuncio....rs.rs.rs
    Quem sabe até está pleiteando o cardo de mero candidato, é bem verdade que para ser eleito é necessário passar pelo crivo da nossa amiga Van, mas se o interesse é acima de tudo diminuir a necessidade de dar amor, acredito que pela resposta ao anuncio, vc já adquira uma certa vantagem.rs.rs.
    É acho que a Van está minando suas defesas e o que era antes uma troca antagônica de post..agora pode ser quase um flerte virtual. Olha que lindo...rs!!!!
    Tenho certeza que ela irá postar sim! Seu comentário é lindo, bem escrito, não tem porque não postá-lo.rs.rs
    Quanto a sua pergunta, deixada no final, é simples...
    Basta ter o que vc não tem... Nome!! Vc já mostrou que para ocupar esse lugar AINDA vago... vc ainda é um anônimo..kk... No seu caso... vc já tem a característica mor... “não ter nome”....
    Beijos..da Ju
    Juliana Persou

    ResponderExcluir
  11. A Vanessa não só não publicou comentários, como retirou a última postagem...

    ResponderExcluir
  12. Juju, vc não viu também uma postagem da Vanessa que dizia Classificados e Classificados? Ou foi uma alucinação minha? E outra: estou aguardando seus novos comentários lá, suas participações são sempre bem interessantes, valorizam o blog dela.
    Beijujux
    Anônimo de sempre

    ResponderExcluir

Sejamos livres e responsáveis pela liberdade que possuímos. O Direito de Expressão é uma dessas liberdades e responsabilidades.

Beijos